Exportações do agro mineiro atingem melhor resultado dos últimos 24 anos no primeiro quadrimestre de 2021

Exportações do agro mineiro atingem melhor resultado dos últimos 24 anos no primeiro quadrimestre de 2021

O agronegócio mineiro segue trazendo bons resultados para a economia de Minas Gerais. Nos quatro primeiros meses do ano, o estado já atingiu a sua melhor marca nas exportações desde 1997 – quando foi iniciada a série histórica –, com US$ 3,01 bilhões em receita e um volume de 3,46 milhões de toneladas embarcadas ao exterior.

Em relação ao mesmo período de 2020, o crescimento foi de 19,4% na receita e de 2,2% no volume. De acordo com a assessora técnica da Superintendência de Inovação e Economia Agropecuária (Siea) da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), Manoela Teixeira de Oliveira, o aumento do preço de algumas commodities foi um dos fatores que levaram a este resultado, com um preço médio de US$ 872,87 a tonelada.

“Os produtos mineiros foram enviados para 155 destinos diferentes, entre eles: China (23%), Estados Unidos (12%), Alemanha (11%), Bélgica (5%) e Japão (5%). Os principais produtos da pauta exportadora mineira foram café (49%), complexo soja (22%), carnes (10%), complexo sucroalcooleiro (7%) e produtos florestais (6%)”, detalha Manoela.

Café

Com quase metade das exportações do agronegócio mineiro, o café registrou receita de US$ 1,47 bilhão e volume de 10,6 milhões de sacas. “Mais uma vez o café segue como destaque. O valor alcançou o 2º melhor resultado desde 2011 e, em relação ao volume, o 2º melhor desde 2014”, pontua a assessora técnica da Siea.

Na comparação com o mesmo quadrimestre de 2020, o incremento nas exportações do café foi de 22% na receita e 24% no volume, sendo que as vendas de café torrado atingiram um crescimento de mais de 100% na receita. Praticamente todos os principais parceiros comerciais do estado aumentaram suas compras.

“A Alemanha, principal cliente de Minas Gerais, aumentou em 24% suas compras. A China também vem ampliando cada vez mais sua participação e, para o período, houve registro de crescimento de 138% nas aquisições”, pontua.

Outros destaques

O complexo soja voltou a configurar como segundo principal componente da pauta exportadora do agronegócio mineiro, com a marca de US$ 673 milhões e 1,5 milhão de toneladas. Houve aumento de 11% na receita e decréscimo de 10,5% no volume, o que corroborou para a alta do preço médio praticado no mercado internacional, de US$ 443,47 a tonelada.

A China foi o principal destino da soja mineira, com 70% das compras. Também influenciaram o aumento das vendas da commodity países como Tailândia, Paquistão, Irã, Alemanha e Holanda.

Já as carnes totalizaram US$ 315 milhões e 108 mil toneladas embarcadas, indicando um incremento na receita de 12% e de 28% no volume exportado, em comparação ao primeiro quadrimestre de 2020. Todas os segmentos - bovino, frango e suíno - apresentaram aumento nas vendas, sendo que a carne de frango obteve o maior crescimento relativo, com +41% na receita e +72% no volume.

Ao mesmo tempo, o complexo sucroalcooleiro também voltou a apresentar alta, registrando US$ 204 milhões e 663 mil toneladas. As consequências da quebra na safra da Tailândia, principal concorrente brasileiro, seguiram favorecendo as vendas de Minas Gerais.

Os produtos florestais obtiveram vendas de US$ 180 milhões decorrentes dos embarques de 410 mil toneladas. A celulose foi o item que sustentou o resultado positivo, com acréscimos de 16,1% na receita e 5,4% no volume.

Por fim, à exceção do chá mate e das nozes e castanhas, todos os demais produtos agropecuários – que corresponderam a pouco menos de 10% das exportações do agro no estado – apresentaram resultados positivos.

Para acessar a tabela completa com os dados das exportações no primeiro quadrimestre de 2021, clique AQUI.

 

José Vítor Camilo – Ascom/Seapa

Foto: Arquivo/Seapa