China: a parceira do agro brasileiro

China: a parceira do agro brasileiro

Artigo originalmente publicado no Broadcast Agro, da Agência Estado em 25/4/2022.


Tem sido comum nas redes sociais ligadas à produção rural a publicação de manifestações de intolerância com relação aos chineses. A xenofobia e o preconceito chegam a ser extravagantes.


Extravagantes, pois a China é o principal parceiro comercial do agro brasileiro. Estima-se que os chineses respondam por 40% das exportações originadas no campo. Certamente, sem esse canal de escoamento da produção o quadro seria tenebroso.


Considerando que o agronegócio tem sido a exceção à regra imposta pela pandemia e pela instabilidade econômica, torcer para fechar qualquer mercado consumidor é um espanto.


A China é o maior parceiro comercial de aproximadamente 130 países, não só do Brasil.


A exportação de produtos agrícolas brasileiros para a China rendeu 45 bilhões de dólares. Cifra nada desprezível.


Em vez de tecer críticas ao principal consumidor dos produtos agrícolas nacionais, deveríamos fortalecer os canais de comercialização com a China para que concorrentes não substituam o Brasil nessa jornada. Aliás, durante a pandemia, o Brasil revelou-se um fornecedor confiável, honrando os compromissos assumidos.


O Brasil, apesar de contar com empreendedores capazes, tecnologia testada para a produção em clima tropical, terra agricultável, clima favorável e luminosidade adequada, não está só e deve ter o cuidado de perenizar os mercados conquistados e abrir novos destinos para seus produtos, para evitar a dependência de poucos compradores.


Há concorrentes ativos e gigantes adormecidos, como a Rússia, por exemplo, que pode ao longo do tempo disputar mercados carentes de alimentos, como a China ou a Índia.


As projeções indicam que o consumo de alimentos deverá crescer nas próximas décadas, em função do crescimento populacional, da urbanização, do crescimento da classe média e da diversificação do consumo de alimentos. 


Estar preparado para competir e ganhar esses mercados é uma boa estratégia, não o contrário. Acompanhar o crescimento e o desenvolvimento desses mercados é uma boa tática comercial.


 

Fonte: Broadcast Agro, da Agência Estado em 25/4/2022.